EU LEITOR

Exposição tecnológica e interativa explora a experiência transformadora da leitura

*Seis núcleos propõem descobertas e diferentes maneiras de perceber o texto literário

*Presenças confirmadas de Ana Miranda, Cristovão Tezza, Rodrigo Lacerda, Karleno Bocarro, Martim Vasques da Cunha, Lucília Garcez, Luiz Carreira, o tradutor Caetano Galindo e o cineasta Vladimir Carvalho

*Um percurso pela arte literária desde os primórdios aos dias atuais

*Projeções, imagens em 3D, gravações, brincadeiras convidam a experimentar a riqueza da leitura

*Projeto expositivo assinado pelos encenadores Adriano e Fernando Guimarães

*Ciclo de conferências, performances artísticas, leituras dramáticas e muito mais

*Entrada franca

FOTOS EM ALTA:
https://www.flickr.com/photos/98687634@N06/albums/72157697714555514

A Biblioteca Nacional de Brasília vai acolher um projeto que é quase uma síntese da função da própria BNB: comunicar a experiência humana através da leitura. A exposição EU LEITOR é um convite a mergulhar no universo da literatura, através de ambientes que proporcionam desde a imersão silenciosa aos jogos lúdicos, com atividades interativas, apresentações artísticas e muito mais. A mostra acontece de 26 de julho a 23 de setembro. Visitação de terça a domingo, das 9h às 19h, e entrada franca.

EU LEITOR é uma exposição inovadora sobre a experiência da leitura, que atravessa os universos da literatura e o prazer de ler. Um percurso experiencial, interativo e tecnológico de aproximadamente 500 autores, que explora a essência e a diversidade da arte literária de forma transformadora. A exposição tem projeto expositivo assinado pelos premiados encenadores teatrais Adriano e Fernando Guimarães. Ao longo de 60 dias de duração, a estimativa é atingir um público de 200.000 pessoas. Paralelamente à mostra ocorrerão atividades complementares, como programa educativo, ciclo de conferências e performances artísticas com leituras dramáticas e outras intervenções.

Durante o mês de agosto, as quintas e sábados contarão com convidados muito especiais, dentro do programa “O Livro da Minha Vida”. A ideia é promover o encontro do público com escritores, tradutores, críticos, cineastas, para que conversem sobre a obra que eles consideram ter sido essencial para sua formação. Pelo projeto irão passar os escritores Ana Miranda, Cristovão Tezza, Rodrigo Lacerda, Karleno Bocarro, Martim Vasques da Cunha, Lucília Garcez, Luiz Carreira, o tradutor Caetano Galindo e o cineasta Vladimir Carvalho.

Os encontros do programa “O Livro da Minha Vida” vão lançar luz sobre algumas das grandes obras literárias de todos os tempos. O premiado autor Cristovão Tezza, por exemplo, vai discorrer sobre um clássico assinado por Joseph Conrad, “Lord Jim”, uma narrativa recheada de aventuras, além de destacar a importância de três autores para sua formação de leitor na infância: Monteiro Lobato, Júlio Verne e Arthur Conan Doyle. O doutor em Linguística e tradutor Caetano Galindo refletirá sobre “Ulysses”, a obra-prima de James Joyce, por cuja tradução ele recebeu prêmio da Associação Paulista dos Críticos de Arte (APCA). O premiado escritor Karleno Bocarro vai comentar o livro que é considerado o mais lido do mundo, “Dom Quixote“, de Miguel de Cervantes. A escritora Lucília Garcez falará sobre a obra-prima “Grande Sertão: Veredas“, de João Guimarães Rosa, e assim por diante.

EU LEITOR tem curadoria do professor Luiz Carreira, Doutor em Teoria da Literatura e Mestre em Teoria da Literatura pela UnB. Patrocínio do Hospital Santa Lúcia, Lei de Incentivo à Cultura, Ministério da Cultura / Governo Federal.

A EXPOSIÇÃO

EU LEITOR vem proporcionar às pessoas um pouco da viagem transformadora pelo maravilhoso universo da leitura, utilizando-se de uma fusão de suportes, que incluem desde plotagens e construções físicas até telas touchscreen, projeções e vídeo mapping.

O percurso da exposição está dividido em 6 núcleos temáticos, que irão guiar o público nessa viagem. Salas de imersão onde o visitante irá dispor de conteúdos cuidadosamente pesquisados e selecionados, expostos de forma inédita e inusitada, utilizando mecanismos analógicos e tecnológicos. Cada núcleo oferece um mergulho, onde o visitante poderá interagir e descobrir novos conteúdos e experiências: o despertar dos sentidos, através da escuta de gravações de trechos de livros, a possibilidade de mexer na disposição da obra e montar a sua própria constelação de autores essenciais, até a experiência mais pura da leitura, que é a de sentar em uma biblioteca e folhear um livro.

A exposição provoca o visitante a sair da sua zona de conforto e refletir sobre como as obras de ficção, ao falar de experiências alheias, se comunicam com a experiência de vida dos leitores. O que leva à autopercepção do leitor como protagonista do ato da leitura e cocriador das histórias ao seu redor e do próprio caminho da exposição.

Projeto inédito em Brasília, gratuito e democrático, destinado a todas as idades, níveis de renda e escolaridade, com amplo programa de acessibilidade (intérprete de libras, áudio guia e atividades sensoriais), idealizado com vistas a provocar impactos positivos dentro e fora do seu campo de ação, EU LEITOR tem programação variada, voltada aos apaixonados por literatura, escritores, estudantes, educadores, famílias, formadores de opinião – dos que iniciam os primeiros passos na leitura aos leitores mais experientes.

OS NÚCLEOS

Reproduzindo metaforicamente o modo como lemos, a exposição tem um sentido orientado de visitação, um roteiro no qual o visitante segue do primeiro ao sexto núcleo, como se fosse da primeira à última página de um livro.
Nesse roteiro, o visitante segue entre corredores temáticos que conectam salas onde experiências visuais, táteis e sonoras tentam aproximá-lo da experiência da leitura.

O percurso proposto tem início no núcleo Mapa, que oferece uma visão histórica abrangente. O espaço apresenta o mapeamento da tradição literária e da história da escrita e do livro.

Depois dessa primeira etapa mais informativa, os núcleos da exposição vão se aproximando da própria experiência da leitura, como se o visitante, depois de contemplar uma biblioteca, abrisse um livro para começar a ler.

No segundo núcleo, chamado Gesto, pequenos textos sobre o ato de escrever e ler são apresentados como fragmentos e combinados com atividades interativas, que colocam o visitante numa posição de experimentar formas de projeção do texto a partir do movimento do seu corpo. Essa experiência sugere metaforicamente a posição do escritor, cujo gesto cria e descobre o texto que surge na tela/papel.

A caminho do terceiro núcleo, Rumor, o visitante atravessa um corredor onde uma frase pode ser lida de modo inusitado. Essa frase é ampliada ao longo do corredor. As letras começam muito pequenas, quase ilegíveis e vão sendo gradativamente ampliadas até que as últimas letras ocupem toda a parede. É como se o visitante fosse um leitor que aproxima vertiginosamente o rosto da página. Assim, ele chega ao núcleo Rumor.

Nessa sala o visitante está diante de uma espécie de altar feito de peças de vidro e luz, que varia de intensidade conforme se ouve um pequeno trecho de um texto de Samuel Beckett dito como um rumor. O que parece estranho ou gratuito, ao mesmo tempo se confronta com um ambiente que nos remete ao sagrado e à reverência. Essa complementaridade entre o aparente gratuito e o sagrado sugerido reflete a combinação entre o texto de Beckett, que mal se ouve, e a frase de Manoel de Barros, que gritava graficamente no corredor pelo qual o visitante acabou de passar e que dizia: “O cisco tem agora para mim a importância de Catedral”.

Depois dessa experiência, o visitante atravessa novo corredor onde encontra portas com olhos mágicos através dos quais ele pode ver personagens de obras literárias. O visitante, ao ver alguém pelo olho mágico de uma porta, é como o leitor, que observa o outro protegido pela página-porta do livro. Ele está do lado de dentro, observa e não pode ser visto. Quem são? O que fazem? O que querem? O que dizem?

Chegamos ao núcleo 4, chamado Escuta. Aqui a escuta dos textos é a experiência fundamental. Em torno de uma grande mesa com objetos que remetem ao que seria uma casa, o visitante é convidado a sentar-se e ouvir atentamente textos como se ouvisse velhos contadores de história. Ouvir a voz do texto é uma forma de atenção semelhante à experiência da leitura, na qual o leitor também tem que criar e ouvir essa voz como parte de sua interpretação.

No núcleo seguinte, intitulado, Constelação, o visitante encontra um ambiente lúdico, onde informações semelhantes às que ele encontrou no primeiro núcleo da exposição reaparecem de forma mais livre, com objetos entre os quais se pode circular e, sugestivamente, reorganizar ou brincar com aquele cânone da grande conversação.
No próximo corredor, que leva o visitante ao último núcleo da exposição, ele encontra a referência a uma obra específica, a revolucionária ‘Fahrenheit 451’, de Ray Bradbury, e ao recorrente tema da queima de livros como restrição à liberdade e violência contra a memória humana, simbolizado pela lembrança do episódio histórico da queima da Biblioteca de Alexandria. Com frases retiradas do livro e elementos gráficos que a ele remetem, o circuito da exposição quer culminar nesse ponto com o pior antagonista dos livros, o desejo de controle do imaginário, com a longa história dos estados totalitários que queimaram livros, representados na ficção de Bradbury.

A seguir, o visitante torna-se, de fato, leitor, no núcleo Alexandria. Aqui encontramos uma pequena biblioteca num espaço de leitura confortável, que não remete aos ambientes de estudo, mas às varandas onde se pode ler com calma o seu livro preferido. Os livros podem ser colhidos para serem desfrutados no tempo próprio de cada leitor.
Todo o circuito da exposição foi desenvolvido para que esse encontro final com livros seja revelador. Depois de atravessar a literatura de uma forma diferente, esperamos que o reencontro dos leitores com os livros seja marcado pela curiosidade, pelo interesse real e pelo desejo de cada um encontrar o seu livro e experimentar-se em novas leituras.

PROGRAMAÇÃO
TEMA: O LIVRO DA MINHA VIDA

02/08 – quinta-feira, às 19h
Convidada: Ana Miranda
Livro: “Alice no País das Maravilhas”, de Lewis Carroll

04/08 – sábado, às 17h
Convidado: Cristovão Tezza
Livro: “Lord Jim“, de Joseph Conrad

09/08 – quinta-feira, às 19h
Convidado: Caetano Galindo
Livro: “Ulysses“, de James Joyce

11/08 – sábado, às 17h
Convidado: Luiz Carreira
Livro: “Ficções”, de Jorge Luis Borges

16/08 – quinta-feira, às 19h
Convidado: Martim Vasques da Cunha
Livro: “O Paraíso Perdido” e “Paraíso Recuperado”, de John Milton

18/08 – sábado, às 17h
Convidado: Karleno Márcio Bocarro
Livro: “Dom Quixote”, de Miguel de Cervantes

23/08 – quinta-feira, às 19h
Convidados: Lucília Garcez e Vladimir Carvalho
Livros: “Grande Sertão: Veredas”, de João Guimarães Rosa, e “A Bagaceira”, de José Américo de Almeida

25/08 – sábado, às 17h
Convidado: Rodrigo Lacerda
Livro: “Viva o povo brasileiro”, de João Ubaldo Ribeiro

AUTORES CONVIDADOS

ANA MIRANDA
Romancista premiada, Ana Miranda estreou na literatura com as poesias de “Anjos e demônios”, em 1978. A partir de 1989, com o romance “Boca do Inferno”, dá início a uma escrita dotada de um brasilianismo intenso, em que recria épocas e situações que se referem à história literária brasileira e às linguagens perdidas no tempo. O livro, considerado hoje um clássico da literatura brasileira, lhe rendeu o primeiro Prêmio Buriti da carreira (na categoria revelação de romance) e está na lista dos cem maiores romances de língua portuguesa do século XX. Ambientado na Bahia do século XVII, “Boca do Inferno” tem o poeta Gregório de Matos e o jesuíta Antonio Vieira como protagonistas. Seguindo na mesma linha de redescoberta e valorização do tesouro literário brasileiro, lança “A última quimera” (1995), sobre o poeta Augusto dos Anjos, conquistando o Prêmio da Academia Brasileira de Letras; “Clarice” (2002), sobre a escritora Clarice Lispector; “Dias & Dias” (2002), que tem o poeta Gonçalves Dias como tema e recebeu o Prêmio Jabuti (na categoria romance) e o Prêmio da Academia Brasileira de Letras; “Semíramis” (2014), sobre o poeta José de Alencar; e mais recentemente “Musa Praguejadora” (2015), biografia de Gregório de Matos que conquistou o Prêmio da ABL, na categoria ficção. Sua extensa obra, já traduzida em cerca de 20 países, inclui ainda títulos como “O retrato do rei” (1991), situado no ciclo do ouro em Minas Gerais; “Desmundo” (1996), sobre as órfãs portuguesas trazidas ao Brasil para se casarem com os colonos (levado às telas de cinema por Alain Fresnot), “Amrik” (2003), sobre a saga dos imigrantes árabes; “Yuxin” (2009), sobre tema indígena, acompanhado de CD com músicas indígenas interpretadas por Marlui Miranda, que conquistou o Green Prize of the Americas; títulos infantis e infanto-juvenis, dentre vários outros. Ana Miranda nasceu no Ceará, em 1951, onde vive atualmente, após cinquenta anos entre Rio, Brasília e São Paulo. Em EU LEITOR, a escritora comentará a influência do clássico Alice no País das Maravilhas, de Lewis Carroll.

CAETANO GALINDO
Doutor em semiótica e linguística geral pela USP (Universidade de São Paulo), o tradutor e professor curitibano Caetano Galindo já foi premiado pela Associação Paulista dos Críticos de Arte (APCA), na categoria Literatura, pela tradução do clássico “Ulysses”, romance que transformou a literatura moderna. Professor do curso de Letras da Universidade Federal do Paraná (UFPR) desde 1998, Galindo é graduado em Letras (francês-português) e mestre em letras pela mesma UFPR. Tem se dedicado especialmente à tradução de obras com estilo intrincado, e à análise e divulgação da obra do escritor irlandês James Joyce no Brasil. Nesse sentido, lançou o livro “Sim, eu digo sim”, um guia de leitura para a obra-prima de Joyce. É, ainda, tradutor dos escritores norte-americanos Thomas Pynchon e David Foster Wallace e do dramaturgo inglês Tom Stoppard. Vem da lavra do curitibano, por exemplo, a aclamada versão brasileira de “Graça Infinita”, cultuado romance de mais de mil páginas que Foster Wallace lançou em 1996. Em entrevistas, Galindo costuma identificar como “missão” a atração por autores e obras tidos como “complexos” e “difíceis”. Mais do que isso: o escritor mostra aos leitores brasileiros que tal trabalho pode ser prazeroso. Para Galindo, aliás, a riqueza do legado de “Ulysses” para a literatura está na coragem de Joyce em mostrar que “a forma do romance comporta muito mais investigação do que se pode supor”. O conjunto de técnicas literárias aplicadas faz do livro um “laboratório para recriar, por meio da ficção, uma vida em seus detalhes”. Como professor, Galindo tem como outras linhas de pesquisa a história da Língua Portuguesa e a Teoria da Prosa Literária. Pela Companhia das Letras em 2017, o tradutor lançou “Letras (1961 – 1974)”, com a íntegra em português das composições do cantor Bob Dylan. Galindo já havia feito trabalho semelhante com a obra de Lou Reed para a mesma editora em 2010.

CRISTOVÃO TEZZA
Premiado e celebrado autor de mais de 20 obras, com edições em vários países, Cristovão Tezza é doutor em Literatura Brasileira pela Universidade de São Paulo. Nascido em Lages, Santa Catarina, em 1952, vive em Curitiba desde 1961. Foi professor da área de Linguística da Universidade Federal do Paraná, mas hoje se dedica exclusivamente à literatura, campo no qual acumula farta fortuna crítica. No programa especial de EU LEITOR, abarcará a influência de grandes autores em sua formação infantil, tais como como Monteiro Lobato, Julio Verne e Conan Doyle. Entre suas obras estão os romances “Trapo”, “Uma noite em Curitiba”, “Juliano Pavollini”, “Aventuras Provisórias”, “A suavidade do vento”, “O fantasma da infância”, “Breve espaço”, “O fotógrafo”, “O filho eterno”, “Um erro emocional”, “O professor” e “A tradutora”, além do livro de contos “Beatriz”, as coletâneas de crônicas “Um operário em férias” e “A máquina de caminhar”, e sua autobiografia literária “O espírito da prosa”. Colunista do jornal Folha de São Paulo, Tezza acabou de lançar o romance “A tirania do amor”. Seu romance “O filho eterno”, publicado em 2007, e adaptado para cinema e teatro, recebeu os prêmios Jabuti, Portugal-Telecom, Bravo!, APCA e São Paulo de Literatura. “Breve espaço entre cor e sombra” ganhou o Prêmio da Biblioteca Nacional de melhor romance de 1998. Já “O fotógrafo”, de 2004, foi o melhor romance do ano, segundo a Academia Brasileira de Letras, e melhor livro de ficção no prêmio Bravo!. “A tradutora” foi prêmio Jabuti em 2017. Tezza tem livros publicados, ou já contratados, na França, Itália, México, Estados Unidos, Portugal, China, Noruega, Inglaterra, Chile e Espanha.

KARLENO BOCARRO
Professor universitário, tradutor e escritor, o cearense Karleno Bocarro graduou-se em História, Ciência da Cultura e Filosofia na Universidade Humboldt de Berlim e fez mestrado em Filosofia na mesma instituição, com uma dissertação sobre a estética na obra de Friedrich Nietzsche. Publicou os romances “Escritos de Obsessão” (edição própria) e “As Almas que se Quebram no Chão” (editora É Realizações, São Paulo). Este último, ambientado na Alemanha Oriental de fins dos anos 80 – e da queda do muro – conta a história de um estudante brasileiro perdido entre a euforia do novo e a nostalgia do velho regime, entre as drogas e a ambição literária. Bocarro traduziu do alemão o romance “Luvas Vermelhas”, do escritor teuto-romeno Eginald Schlattner, e o livro do psicólogo Viktor Frankl, “O Sofrimento de uma Vida sem Sentido”. E deu versão em língua portuguesa para o do francês “Conselhos sobre o Trabalho Intelectual”, de Louis Riboulet. No momento, o escritor traduz a obra “História da Cultura Grega” de Jacob Burckhardt, historiador suíço de arte e cultura. Seu terceiro romance, “O Advento”, está em processo de revisão, com publicação prevista para o próximo ano, pela Editora Record. Bocarro mudou-se para a Alemanha aos 23 anos e lá permaneceu por mais oito, tendo atuado como intérprete junto a empresas em Berlim. Atualmente, vive em São Paulo. Já trabalhou em universidades estaduais, federais e privadas.

LUCÍLIA HELENA DO CARMO GARCEZ
Doutora em Linguística Aplicada ao Ensino de Línguas pela PUC-SP, Lucília Helena do Carmo Garcez tem vasta experiência na área de linguística, com destacada atuação em escrita, ensino, produção de texto, interação e dialogia. Autora de “A escrita e o outro” e de “Técnica de redação – o que é preciso saber para bem escrever”, tem passagem pela Universidade de Lisboa, é mestre em Teoria da Literatura pela UnB e professora aposentada do Instituto de Letras da mesma universidade. A escritora e acadêmica participa de bancas de concursos públicos, colabora com jornais de Brasília e integra programas de qualificação de professores e de incentivo à leitura. Lucília ainda coordena um clube de leitura e faz parte do Instituto Casa de Autores. Elaborou o material didático de língua portuguesa do Programa PROJOVEM, da Presidência da República, além de ter coordenado o programa para formação continuada de professores em início de escolarização – PRALER. Sua destacada produção em literatura infanto-juvenil, em parceria com o artista plástico Jô Oliveira, inclui os títulos “Luiz Lua”, “O sorriso do gato”, “Notícias do Descobrimento”, “Explicando a arte brasileira”, “Mãe do ouro” e “Brasília – de cerrado a capital da República”. Publicou, também, entre outras obras, “Brasília – do concreto ao sonho”, “Alfinete – o porco-espinho”, “O Descobrimento do Rio Amazonas”, “A primeira vez que eu vi o mar”, “Palavras mágicas” e “Tonho e os dragões”. Recebeu o Prêmio UnB 30 anos-Literatura, o Prêmio Cora Coralina e a Ordem do Mérito Judiciário do Trabalho.

LUIZ CARREIRA
Mestre e Doutor em Teoria Literária pela Universidade de Brasília, Luiz Carreira é escritor e professor de literatura com mais de quinze anos de experiência em todos os níveis de ensino, do básico ao superior. Fundou (em 2009) e coordena o espaço acasa – escola contemporânea de humanidades, que oferece cursos, seminários e oficinas sobre artes, literatura, filosofia e história. É autor do livro “A graça da literatura”, de 2018. Carreira coordena oficinas de leitura literária e de escrita criativa. Em seu espaço, já produziu e coordenou cursos como As formas da música: compreensão musical, com o maestro Júlio Medaglia e o pianista Ney Salgado; O olhar fotográfico: Introdução à fotografia antropológica, com o fotógrafo Olivier Boels; e Panorama da literatura brasileira contemporânea, com o jornalista Sérgio de Sá e os escritores Cristóvão Tezza e Marçal Aquino, dentre muitos outros. É também autor do Manual Lúdico de Arte Literária.

MARTIM VASQUES DA CUNHA
Escritor e jornalista que navega por temáticas variadas, desde mística e santidade até liberdades digitais, Martim Vasques da Cunha é autor dos livros “Crise e Utopia: O dilema de Thomas More” e “A Poeira da Glória – Uma (inesperada) história da literatura brasileira” (no prelo). Tem experiência nas áreas de Filosofia da Religião e História da Filosofia, além de Ciência Política – com ênfase no tema “Ideologias e Religiões Políticas” e no resgate da história das telecomunicações no Brasil. Suas linhas de pesquisa abrangem estudos do pensamento conservador, educação clássica e religiões políticas. Também atua como organizador e coordenador de cursos e eventos e colabora com o Jornal Rascunho, de Curitiba. Mestre em Ciências da Religião pela PUC-SP, faz pós-doutorado na FGV-EAESP com o tema de pesquisa “Tudo o que sobe converge?: Uma análise das narrativas na Guerra da Banda Larga”. É, ainda, doutor em Ética e Filosofia Política na Universidade de São Paulo, com a tese “Violência e Epifania: a liberdade interior na filosofia política de John Milton”. Foi um dos criadores e editores da revista cultural Dicta&Contradicta e traduziu, pela Editora Record, o livro “A Alma do Mundo”, do filósofo inglês Roger Scruton. Mantém o blog martimvasques.blogspot.com.

RODRIGO LACERDA
Considerado pelos colegas Moacyr Scliar e Marco Lucchesi como um escritor radicalmente brasileiro, que não abre mão da pluralidade e detém notável domínio do texto, o premiado Rodrigo Lacerda é doutorado pela Universidade de São Paulo (USP) em Teoria Literária e Literatura Comparada. Nascido em 1969, no Rio de Janeiro, é escritor, tradutor, editor e autor dos seguintes livros: “O mistério do leão rampante” (novela, 1995, prêmio Jabuti); “A dinâmica das larvas” (novela); “Fábulas para o séc. XXI” (livro infantil); “Tripé” (contos); “Vista do Rio” (romance); “O fazedor de velhos” (romance juvenil, 2008, prêmio da Biblioteca Nacional, prêmio Jabuti, prêmio da FNLIJ); “Outra vida” (romance, 2009, prêmio da Academia Brasileira de Letras); “A república das abelhas” (romance, 2013, finalista dos prêmios Portugal Telecom e São Paulo 2014); “Hamlet ou Amleto? Shakespeare para jovens curiosos e adultos preguiçosos” (juvenil, 2015, prêmio Jabuti); “Todo dia é dia de apocalipse” (juvenil) e “Reserva Natural” (contos). Reconhecido pela aguda visão crítica e pelo domínio envolvente de estilo e visão da realidade, Fonseca é descrito como autor erudito e livre, que sustenta um permanente jogo de ação e ritmo, dono de prosa nunca arrastada. Como tradutor, verteu para o português autores como William Faulkner, Alexandre Dumas e Raymond Carver, tendo recebido, em parceria com André Telles, os prêmios Jabuti de Melhor Tradução de Língua Francesa em 2009 e o de Melhor Tradução em 2010. Trabalhou em importantes editoras do Brasil, como Nova Fronteira, Nova Aguilar, Editora da Universidade de São Paulo e Cosac Naify. Atualmente, é membro do conselho editorial da Zahar.

VLADIMIR CARVALHO
Celebrado e premiado cineasta brasileiro, o paraibano radicado em Brasília é dono de uma extensa filmografia de mais duas dezenas de filmes, entre os quais os longas-metragens “O País de São Saruê”, “O Engenho de Zé Lins” e “O Homem de Areia”, que compõem uma trilogia nordestina. Também é reconhecido pela trilogia brasiliense enfeixada por “Conterrâneos Velhos de Guerra”, “Barra 68 – sem perder a ternura” e “Rock Brasília – era de ouro”. Todas essas obras foram premiadas em festivais de cinema como os de Brasília, Gramado, Paulínia e Havana-Cuba. De estudante de filosofia na Universidade Federal da Bahia, Carvalho tornou-se auxiliar de Eduardo Coutinho (“Cabra Marcado para Morrer”) e de Arnaldo Jabor (“Rio Capital do Cinema” e “Opinião Pública”). Sua realização ligada à origem nordestina inspirou-se no imaginário visual e estético de Glauber Rocha e do Cinema Novo. Em Brasília, foi professor da UnB e se firmou como mestre na cinematografia documental. A paixão pela Sétima Arte resultou na Fundação Cinememória, criada em 1994 na casa do diretor para acolher fotografias, livros e artigos que contam a história da produção brasiliense. Selecionado pelo festival “É tudo verdade”, em 2016, Cícero Dias – o compadre de Picasso, seu filme mais recente, foi agraciado com os prêmios de melhor direção e roteiro, da Câmara Distrital, durante o Festival de Brasília do Cinema Brasileiro. Exibido no circuito comercial, com excelentes críticas, o documentário tornou-se finalista do Grande Prêmio da Academia Brasileira de Cinema. Com 83 anos, Vladimir Carvalho mantém-se ativo fundador e incentivador do cinema produzido na capital federal.

SERVIÇO

Data: 26 de julho (vernissage) a 23 de setembro
Visitação: de terça a domingo, das 9h às 19h
ENTRADA FRANCA
Patrocínio: Hospital Santa Lúcia, Lei de Incentivo à Cultura, Ministério da Cultura / Governo Federal

________________________________________________________________
Assessoria de imprensa (exclusivo para jornalistas): Objeto Sim Projetos Culturais
Tels: (61) 3443. 8891 e (61) 3242. 9805 (fone/fax)
Carmem Moretzsohn: 61. 9 8142.0111 – Gioconda Caputo: (61) 9 8142.0112
Site: www.objetosim.com.br
objetosim@gmail.com e objetosimprojetosculturais@gmail.com